Arquivo

Posts Tagged ‘Brasil’

7 de Setembro – Dia da Independência do Brasil

setembro 7, 2010 2 comentários

O que você vê na imagem acima?
Eu vejo um tornado, um vaqueiro com torcicolo, cavalos brincando de dominó, um senhor estendendo um cipó de goiabeira e um baba-ovo que estende o chapéu gritando “Aleluia”.

Ora, e por que não seria?
O que você acima, nada mais é que a visão romântica dum fato ocorrido no ano de 1822.
Vamos, então, ao…

Estamos no ano de 1822.
O lugar é o Brasil Colônia da Avon.
Ainda preso à nação do Cristiano Ronaldo, o Brasil enfrentava uma sééérie de revoluções e crises.

primeira condição que culminou na “Independência” do país, foi a Inconfidência Mineira, em 1789.
Naquela época, o nosso amigo dentista Chico Xavier Joaquim José da Silva Xavier juntou com os manos mineiros, na moral, para acabar com a derrama.

OMG, e o que era a derrama ?
Antes de imaginar uma multidão de mulheres menstruadas, clique aqui para ver o que nossa amiga Wikipedia tem a dizer.

Então, só na moral, a Coroa Portuguesa descobriu o movimento do mano que Tirava os Dentes alheios e matou o coitado.
Não satisfeitos, ainda cortaram o pobre moço em várias partes e expuseram a cabeça dele ao público como forma de alertar outros revolucionários a não ir de encontro à Coroa.

Devido ao alto grau de violência contida nas imagens, estas não serão exibidas aqui. Grato pela compreensão.

•••

Anos mais tarde, por volta de 1808, a família Real Portuguesa vem para o Brasil com o rabinho entre as pernas, fugindo do Napoleão que dominava geral na Europa e logo é criado o Banco do Brasil. Aí, começa o primeiro desfalque: Em 1821, o D. João VI  volta pra Portugal levando muuuuuuita bufunfa deste banco, quebrando o coitado no ano de 1829.
13 anos após a chegada da Família Real, todos retornam mas D. João VI deixa o seu filho Pedro de Alcântara como príncipe regente do Brasil.

Assim, o Brasil passava a ser regido por Pedro diretamente da Colônia.
Mas a família de portugueses loucos queria o seu filho (Pedrinho) de volta à Portugal e o retorno da administração ao império português e não mais do Rio de Janeiro.
Com isso, a galera do Brasil se mobilizou e pediu:
Por favor, Pedrinho… Fica! Fica!

Pedrinho, vendo toda aquela comoção nacional, disse:
– Eu vou ficar! êêÊÊEÊê~~e

Esse dia (09 de janeiro de 1822) ficou conhecido como Dia do Fico.

O grande dia

Após um belo dum almoço regado a muita farinha de puba, feijão e carne de porco, Pedrinho resolve dar um passeio com seus coleguinhas.
Em cima da sua mula, subiu uma colina, passou pela primeira esquerda, dobrou a direita, desceu a colina, passou por um morro, desceu mais um pouco e quebrou a esquerda.
Chegou no Ipiranga.

Lá chegando foi tomar um cafezinho e encontrou um boiadeiro com quem foi falar, percebeu que esse zig-zag todo lhe fez mal.
Uma dor de barriga descomunal o acometeu e ele teve que se aliviar.
Em seu trono improvisado às margens do Ipiranga, começou a eliminar os dejetos fecais.
Enquanto isso, os amigos dele estavam se deliciando sob a luz do sol e bebendo a água do Ipiranga.

– Esta água está com um gostinho bom, não achas?
Sim… Está uma delícia!

Risadas e piadinhas ecoavam no meio da galera.

Interrompendo o momento sagrado do Príncipe, algum fulano chegou e disse:

– Pedro, nós temos uma correspondência da sua mãe doida que acabou de chegar.
– Dá aqui esse treco.

Lendo a carta, espantou-se:

“Caro Pedrinho,

Estou com saudades de você. Mamãe tá precisando de um Escabin e aqui em Portugal tá em falta.
Volta logo. Arranca os cabelos duma índia e traz pra mim, faz favor.
Tá escovando os dentinhos com sebo de porco como eu te ensinei?
Volta logo! Não quero saber de você vivendo com esses índios marginais daí do Brasil.

Beijo, mamãe doida.”

Naquele instante, Pedro enfureceu-se.
Pegou o papel, limpou o orifício retal e levantou-se com os dentes cerrados.
Amassou a carta, jogou na água do rio e gritou: Independência ou Morte!

Todo mundo se virou para Pedro (ainda com as calças arriadas) e se espantou. Só tiveram uma reação:
êÊêêEê~^E~eê~eEÊê~e~EÊ~e! 😀
A galera amarrou as mulas e se jogou na água do Ipiranga.
A mesma água onde estava boiando o cocô de Pedro. 😛
Estavam, pois, felizes com o fim do controle português sobre a Colônia.
Estava oficialmente declarada a Independência.

O que eles não sabiam, porém, é que Pedro estava querendo apenas a independência pessoal. Cansado de ouvir asneiras de sua mãe, gritou e soltou uma raiva contida há anos.
Além de piolhenta, controladora, chata, a mãe dele ainda ousara chamar os manos do Pedro de “índios marginais”.
Aquilo havia sido a gota d’água.
Quase literalmente.
Lavou-se, sentou na mula e se mandou de volta pra casa.

Mas, para se tornar “independente”, o Brasil ainda precisava de uma marinha de guerra e um exército bacana.
Para isso, teve que contar com o apoio financeiro ($$$$$) da Grã-Bretanha.

Com esse “apoio financeiro”, Pedro pagou a Portugal 2 milhões de libras esterlinas.
Com isso, surge a primeira dívida externa do Brasil.

Mas o que importa?!
O Brasil acabara de se tornar independente, não é?

Não é?! […]

😀

KM ‘

Feliz Monte Pascoal

Hey oh, pupilos do lendário senhor Miyagi.
Como foi o feriadão? Muito filme de Jesus na TV? Muito bacalhau?
Tio contando piadas? Primos enchendo o saco?

Nessa época de Páscoa, de jejum da carne e relembrar o homem que deu uns “pegas” na Madonna, todos nos esquecemos de um marco importantíssimo para a história do Brasil.
Ele mesmo. O incrível, interessante, maneiro… Monte Pascoal.

Monte Pascoal é um pequeno monte (586 metros de altura) localizado no estado da Bahia, a cerca de 62 quilômetros da cidade de Porto Seguro. Segundo os registros históricos, o Monte Pascoal teria sido a primeira porção de terra avistada por Pedro Álvares Cabral e sua tripulação no dia 22 de abril de 1500, data do Descobrimento do Brasil. O acidente geográfico recebeu este nome justamente porque o desembarque ocorreu na época da Páscoa do ano de 1500.

•••

Interessante, né?!
Talvez não.
Outra informação extremamente relevante: Eu já escalei o Monte Pascoal. A visão é realmente incrível!

O Brasil está prestes a comemorar 510 anos desde o seu descobrimento e, com certeza, vocês não verão manchetes interessantes a respeito.

Por ora, Happy Easter para todos vocês! ;D

KM ‘

%d blogueiros gostam disto: